Nova administração revê contratos assinados na gestão passada

ILUMINAÇÃO PÚBLICA

Na tarde de terça-feira, 3, o prefeito Jesus Chedid recebeu representantes da empresa Citéluz,
que presta serviços de manutenção de iluminação pública. Segundo divulgado à imprensa,
a antiga administração pagou aproximadamente R$ 276 mil para desligar cerca de 1.100 lâmpadas no município. 


“Ficamos muito assustados com a informação de que a Prefeitura teve que pagar cerca de R$ 280 mil para a
empresa de iluminação. Gastar tudo isso para deixar a população às escuras? Que economia é essa?”,
questionou Jesus Chedid. Segundo a Citéluz, até hoje 1.100 lâmpadas permanecem desligadas.
A próxima reunião com a Citéluz está marcada para o dia 12 de janeiro.


MANUTENÇÃO 

No mesmo dia, o prefeito se reuniu com Antonio Alberto Martins Junior, diretor comercial da
Eteng Engenharia e Serviços, contratada para a realização de serviços de limpeza e manutenção na cidade.
Os contratos com essa empresa somam mais de R$ 11 milhões e a Prefeitura também tem um
saldo negativo junto à Eteng, de R$ 200 mil, segundo o representante da empresa. 


Foram assinados dois contratos entre Prefeitura e Eteng. Em 5 de outubro último foi firmado
um contrato para aluguel de equipamentos, no valor de R$ 7.428.000,00. No final do ano passado,
em 20 de dezembro, foi assinado um contrato no valor de R$ 3.863.000,00 para a realização de
serviços de limpeza e manutenção, como, por exemplo, corte de grama e poda de árvores em logradouros públicos. 


Ambos os contratos têm validade de 12 meses. “Esses contratos são muito importantes porque visam o aspecto
ruim da cidade”, destacou Jesus Chedid. Uma nova reunião será realizada em 13 de janeiro. 


ABBC

Na noite de quarta-feira, 4 de janeiro, a Prefeitura rescindiu o contrato com a
Associação Brasileira de Beneficência Comunitária (ABBC). No acordo firmado,
a Organização Social (OS) “perdoou” a dívida de aproximadamente R$ 8 milhões que ela
pleiteava por ter realizado serviços fora do contrato e que não foram pagos pela administração anterior. 


A reunião no gabinete da Prefeitura durou cerca de seis horas e foi muito tensa.
Após o término da reunião, a imprensa conversou com os diretores da ABBC e o
prefeito Jesus Chedid. Edison Dias Junior, representante da ABBC, e Amando Ganem,
vice-presidente da OS, responderam aos questionamentos da imprensa.


“Foram discutidos nesta reunião, os dois contratos existentes, da Atenção Básica e da
Urgência e Emergência. Nós entendemos que devemos devolver ao município a
Atenção Básica”, disse Edison. Até 29 de março, quando vence o contrato,
a ABBC estará nas unidades para que a população não fique desassistida e haja a transição do atendimento. 


Quanto ao contrato que envolve a urgência e emergência, Unidade de Pronto Atendimento (UPA)
e Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), ficou acertado que a ABBC passará por um
período de “aviso prévio”. “Foi assinado um termo de rescisão amigável, de 90 dias.
O prefeito Jesus Chedid lançou um desafio para que neste período nós possamos convencê-lo,
fazendo melhorias no atendimento, para permanecer com o contrato que venceria somente em setembro”. 


Quanto ao pedido de reconhecimento de dívida, no valor de aproximadamente R$ 8 milhões,
os diretores afirmaram que, por terem interesse em continuar prestando serviço na
Prefeitura de Bragança Paulista, após muitas tratativas, renunciaram à dívida.