Siga nossas redes sociais →

Jovem autista supera bullying na infância para realizar sonho de ser professor | 102FM Todo Mundo Ouve

Publicidade

Jovem autista supera bullying na infância para realizar sonho de ser professor | 102FM Todo Mundo Ouve

Cursando pedagogia, Leonardo Barbosa faz estágio na rede pública e auxilia aluno com dificuldades na aprendizagem. Ele sonha em lecionar matemática para ajudar mais estudantes.

Nem mesmo as lembranças ruins da infância, de quando sofria bullying na escola por causa do autismo, foram capazes de impedir Leonardo Soares Barbosa de correr atrás do sonho de um dia ser professor de matemática.E um grande passo nesse sonho foi dado recentemente. Isso porque ele conquistou uma das vagas de estágio para atuar como professor auxiliar na rede municipal de Sertãozinho (SP), no interior de São Paulo.Há pouco mais de um mês na nova função, o jovem não apenas comemora nesta sexta-feira (15) seu primeiro Dia do Professor, como também o aniversário de 20 anos. As experiências anteriores, que antes atrapalhavam, agora servem de aprendizado para ele na busca por ser um bom profissional.Se pode parecer surpreendente para quem passa a conhecer agora a história de Leonardo, para quem convive com ele há mais tempo a conquista está longe de ser uma surpresa.Como é o caso da mãe, a também professora Roberta Soares Machado Barbosa. Ela revela que, apesar de nunca ter duvidado do potencial do filho, a comemoração efusiva de toda a família foi inevitável.O COMEÇOOs primeiros sinais de queLeonardo tinha alguma deficiência surgiram aos cinco anos de idade. Porém, o diagnóstico de transtorno do espectro autista veio apenas aos dez.Durante o tempo até conseguir o laudo médico, ele conviveu com incertezas, potencializadas a cada vez que colegas de sala e professores “ignoravam” suas diferenças.”Lembro que quando eu estudava na escola pública, eu sofria bullying. As professoras não sabiam lidar direito comigo, achavam que eu não tinha nada, achavam que eu era estranho.”Mas o cenário mudou quando ele se transferiu para outra escola no 5º ano do ensino fundamental.A mudança, aliás, pode ser considerada um ponto de partida na vida dele, já que o diagnóstico de autismo veio com a ajuda dos profissionais da unidade.”Depois que terminei o 4º ano, tive acolhimento, fui bem tratado, as professoras muito boas. Elas perceberam que eu era um pouco diferente dos outros alunos e recomendaram que fosse no médico para olhar. Depois, descobri que eu tinha autismo.”Um dos responsáveis por ajudá-lo e que futuramente serviria de inspiração para o jovem é o professor de matemática José Reis, conhecido como Reizinho. Em vídeo enviado ao g1, o professor comentou o potencial de Leonardo (assista acima).”Desde sempre ele se mostrou muito interessado aos estudos, era um menino muito aplicado. Nos três últimos anos, no ensino médio, eu que fui o professor de matemática dele. Logo no início, já percebi o gosto que ele tinha pela matemática e a genialidade que ele tinha em resolver sistemas, equações matemáticas. Ele gostava muito”, disse.O AGORA E O FUTURODepois de passar por um processo seletivo de quase dois meses, sem ser beneficiado pelo sistema de cotas, segundo a Prefeitura, Leonardo começou oficialmente no estágio no dia 8 de setembro.Desde então, ele auxilia no período da manhã um aluno com dificuldades de aprendizagem, elaborando atividades para estimular o ensino. Enquanto as aulas presenciais não são retomadas por causa da pandemia da Covid-19, o auxílio é feito de forma remota.De acordo com a administração municipal, o contrato atual de trabalho é de um ano, com a possibilidade de ser renovado por mais um.Já à noite, Leonardo cursa o quarto semestre de pedagogia em uma faculdade de Sertãozinho, em busca de concluir mais uma etapa até realizar o sonho de lecionar matemática.Do que depender da mãe, Roberta, o jovem conseguirá realizar não só esse, mas também todos os outros sonhos que tiver, e terá uma vida normal, sem que as dificuldades que possam aparecer durante a trajetória prevaleçam.”Quero sempre o melhor para ele, que ele tenha uma vida normal, trabalhe e conquiste os sonhos dele. Que ele consiga ter autonomia para a sobrevivência, porque um dia eu e o pai dele não estaremos mais aqui, e ele tem que aprender a andar com as próprias pernas. A gente criou ele para o mundo, mesmo diante da deficiência dele. Estar preparado para o que der e vier.”Fonte: G1

Publicado por

Rádio 102 FM

Rádio 102 FM

Compartilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Publicidade

Outras notícias