Siga nossas redes sociais →

Medalhista olímpico, Thiago Braz volta à disputa da Liga Diamante na Europa

Publicidade

THIAGO BRAZ CBAT

Medalhista olímpico, Thiago Braz volta à disputa da Liga Diamante na Europa

Dono duas medalhas olímpicas – ouro no Rio-2016 e bronze em Tóquio-2021 -, Thiago Braz estreou neste domingo (2/7) em Estocolmo, na Suécia, na Liga Diamante, o principal circuito de competições da World Athletics. Thiago terminou em sexto lugar na prova do salto com vara, com 5,62 m, o seu melhor resultado do ano.

Após a temporada indoor, o paulista de Marília resolveu mudar totalmente de vida. Deixou de treinar com o ucraniano Vitaly Petrov, que o levou a ser duas vezes medalhista olímpico, e deixou a cidade de Fórmia, na Itália. Ele agora é treinado pelo norte-americano Mitchell Krier, que orienta Aikaterini Stefanidi, também campeã olímpica na Rio-2016, na Grécia. Stefanidi foi ainda campeã mundial em Londres-2017 e bronze em Doha-2019.

Thiago justificou a mudança dizendo que prefere um trabalho mais individualizado e o treinador ucraniano vinha ampliando o número de atletas com os quais trabalha no centro de treinamento italiano.

A mudança implica em ter paciência para encarar a alteração de técnica do salto, a troca de vara (de fibra de vidro por fibra de carbono) e de rotina de vida. “Sempre há necessidade de paciência e de adaptação”, afirmou Fabiana Murer, recordista sul-americana do salto com vara, bicampeã mundial e da Diamond League, integrante do programa Ídolos do Atletismo. Ela acredita que Thiago estará bem preparado para o Mundial de Atletismo de Budapeste, Hungria, de 19 a 27 de agosto.

Além disso, em Estocolmo, o salto com vara foi disputado sob chuva e frio e começou com mais de duas horas de atraso. Thiago, depois de tanta espera, teve um início irregular. Passou 5,42 m só na terceira tentativa. A marca de 5,62 m passou de segunda e errou os três saltos a que tinha direito a 5,72 m.

O pódio na competição foi formado pelo sueco Armand Duplantis, recordista mundial, que saltou 6,05 m e tentou três vezes em casa os 6,23 m, sem conseguir. O felipino Ernest Obiena (5,82 m) ficou em segundo lugar, seguido do norueguês Pal Haugen Lissefosse (5,72 m).

Publicado por

Diego Perez

Diego Perez

Compartilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Publicidade

Outras notícias